Acontece

Helicóptero: preço igual a carro de luxo

Além do custo da cota, equivalente a 10% do valor de um helicóptero, o gasto que o proprietário terá no modelo citado como exemplo – um Robinson – é de cerca de R$ 11 mil por mês

18/8/2008

9h45

Diário do Grande ABC

Clipping

A partir de R$ 104 mil é possível ser dono de um helicóptero que transporta três passageiros, além do piloto – quase o mesmo preço de um Civic 2.0, o carro de luxo da Honda. A afirmação parece errada, mas não está. Esse é o valor mínimo que se paga dentro do sistema de ‘propriedade compartilhada de aeronaves’, uma espécie de compra em grupo existente no País há sete anos e que atende cerca de 200 pessoas atualmente.

Além do custo da cota, equivalente a 10% do valor de um helicóptero, o gasto que o proprietário terá no modelo citado como exemplo – um Robinson – é de cerca de R$ 11 mil por mês, referentes à manutenção do aparelho e custos de vôo (combustível, piloto, entre outros).

Esse modelo de aquisição associativa é oferecido pela empresa HeliSolutins, que cuida da aeronave para o grupo. Única no País a apresentar esse modelo de terceirização de gestão, a empresa tem 12 helicópteros no mercado, além de mais uma que deve chegar nesse semestre – e a entrada de aviões nesse sistema também está em estudo. No exterior, esse mercado já está consolidado, como nos Estados Unidos, que dispõe de mais de 1.000 máquinas operando.

“É a terceirização da ‘dor de cabeça’ de ter um helicóptero, seja pelo preço, burocracia, custo da manutenção e hangar, ou de pessoal necessário”, comenta Rogério Andrade, presidente da companhia.

No caso de mais de uma pessoa precisar usar a aeronave no mesmo horário ou este se encontrar em manutenção, a empresa disponibiliza outro aparelho para atender o cliente. “Estamos crescendo 50% ao ano, enquanto o mercado de aviação executiva cresce 10%. Acho que a principal barreira que ainda enfrentamos é cultural, pois as pessoas não conhecem como funciona a propriedade compartilhada. Mas vejo muito espaço para crescer se comparado ao custo da frota que São Paulo apresenta hoje”, comenta Andrade.

Segundo o presidente da HeliSolutions, a maioria dos clientes são grupos de pessoas jurídicas e empresas de médio e grande porte, que precisam desse meio de transporte para fugir do trânsito e por questões de segurança para cargos de alto escalão. “Enquanto em São Paulo 70% dos vôos são a trabalho, no Rio de Janeiro a demanda é de 60% por lazer.” (Luciele Velluto – Do Diário do Grande ABC)

Linkpara a matéria

  • CONTEÚDO DE REFERÊNCIA
  • Publicidade

  • Articulistas

    Brasil necessita de soluções e pensamento estratégico para alavancar setor de transporte logístico

    Edésio de Campos Horbylon Neto é diretor superintendente da 3T Systems, do Grupo José Alves. Graduado em Direito pela Faculdade Anhanguera de Ciências Humanas, possui especialização MBA em Estratégias de Gestão em Marketing pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. O executivo acumula passagem na Autotrac, Texaco do Brasil e Xerox do Brasil.

    Fraude no Controle de Emissões de Veículos Diesel cresce no País

    Artigo exclusivo do diretor da AFEEVAS, Associação dos Fabricantes de Equipamentos de Controle de Emissões de Poluentes da América do Sul, para o Portal Transporta Brasil, alerta para o problema da pirataria para driblar o uso do Arla 32

  • Publicidade

  • Publicidade

  • Bolsa de Valores – ADVFN

  • Redes Sociais

    Facebook