Automóvel continua puxar produção, prevê Ipea

A expansão de quase 20% na comparação interanual foi reflexo da produção de mais de 320 mil unidades no mês de julho

TAM se destaca entre empresas do setor aéreo
Makro investe em mais postos de combustíveis
Contribuintes poderão parcelar débito do IPVA em São Paulo

A produção industrial deve apontar um crescimento de 7,6% em julho na comparação com o mesmo mês do ano passado, segundo o Indicador de Produção Industrial do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea). “Dentre os indicadores setoriais, mais uma vez a indústria automotiva aparece como principal motor do crescimento. A expansão de quase 20% na comparação interanual foi reflexo da produção de mais de 320 mil unidades no mês de julho, representando – novo recorde na série histórica”, ressalta relatório divulgado hoje pelo Ipea.

Na margem, a produção registrou uma pequena retração, caindo 1%, o que pode ser explicado pela forte expansão ocorrida em junho. O fluxo de veículos pesados em rodovias com pedágio apresentou estabilidade na margem, registrando queda de 0,4%. Já a produção de papelão, após encerrar o primeiro semestre estagnada, apresentou uma pequena recuperação em julho, com crescimento na margem e 0,5% m relação junho.

Em junho, a indústria brasileira produziu 6,6% mais face igual mês de 2007. Em relação a maio, descontando os efeitos sazonais, a produção registrou aumento de 2,7%. “Com este resultado, o ‘carry-over’ de 2008 ficou em 5,0%, ou seja, a produção industrial cresceria a essa taxa mesmo apresentando variação dessazonalizada igual a zero durante todos os meses restantes de 2008. O resultado de junho ficou próximo do ponto médio do intervalo da ossa rojeção”, destaca relatório.

No primeiro semestre, a produção industrial encerrou o primeiro semestre de 2008 mantendo um ritmo de crescimento ainda bastante elevado. Na comparação com o mesmo período de 2007, a variação foi de 6,3%, a maior taxa desde 2004 nesta base de comparação. Em relação ao segundo semestre do ano anterior, o avanço foi de 1,9%, já descontados os efeitos sazonais. A evolução da indústria vem sendo caracterizada pela forte expansão dos setores de bens de capital e de bens de consumo duráveis. Em relação ao primeiro, é importante destacar o alto grau de difusão deste crescimento.

De acordo com os dados divulgados na Pesquisa PIM-PPF (IBGE), 74% dos subsetores da indústria de bens de capital apresentaram variação positiva em junho. Já o comportamento positivo do setor de bens de consumo duráveis está mais concentrado nos resultados da indústria automotiva, em virtude também de uma concorrência maior dos produtos mportados. (Vanessa Stecanella – InvestNews)

Link para a matéria

COMMENTS