British Airways e a espanhola Iberia negociam fusão

A empresa britânica afirmou ontem que ambas as companhias passarão vários meses discutindo os termos de uma fusão acionária que pode criar uma companhia aérea com valor combinado de US$ 8,6 bilhões

A retomada dos caminhões será mais difícil
Petrobras diz que vai fornecer diesel com menos enxofre no prazo, mas só para veículos novos
Começam as obras de recuperação da rodovia entre Araucária e Campo Largo

A British Airways e a espanhola Iberia estão em negociações para criar a terceira maior companhia aérea do mundo, no que pode formar a base para uma conexão transatlântica de três companhias e desencadear uma nova onda de acordos na indústria.

A empresa britânica afirmou ontem que ambas as companhias passarão vários meses discutindo os termos de uma fusão acionária que pode criar uma companhia aérea com valor combinado de US$ 8,6 bilhões. A nova empresa voará para cerca de 200 destinos e que poderá expandir significativamente a presença da British Airways no crescente mercado latino-americano.

Notícias sobre as negociações fizeram as ações da Iberia disparar 21%, enquanto a BA se valorizava em 6%.

O presidente-executivo da British Airways, Willie Walsh, e o presidente do conselho da Iberia, Fernando Conte, disseram em conferência de imprensa em Madri que a nova empresa operará com as duas marcas separadas, mas que se beneficiarão com corte de custos, maior poder de compra e maiores sinergias de receitas graças à uma maior rede de atuação.

“Isso cria uma companhia aérea muito mais forte, capaz de competir num ambiente bastante alterado da indústria aérea”, disse Walsh.

O presidente da British Airways confirmou que as duas empresas ainda conversam com a companhia norte-americana American Airlines sobre um acordo transatlântico.

O grupo combinado terá receita de € 16,5 bilhões sendo cerca de 60% disso vindo da BA  aproximadamente 450 aeronaves e maior capacidade de competir com as rivais Air France-KLM e Lufthansa.

A British Airways tem sido acionista da Iberia desde sua privatização, há quase 10 anos, e detém 13,5% do grupo espanhol. A Iberia possui 2,99% de participação direta na BA. O banco espanhol Caja Madrid detém 22,99% do capital da empresa aérea espanhola.

A British Airways afirmou que ambas as partes estão confiantes de que haverá aprovação de um acordo por parte de autoridades de defesa da concorrência. A empresa acrescentou que a União Européia já permitiu que as duas companhias cooperem abertamente e que os órgãos reguladores espanhóis e franceses reagiram positivamente à notícia sobre uma possível fusão.

A British Airways e a Iberia controlarão cerca de 45% dos slots de pousos e decolagens no aeroporto britânico de Heathrow, centro de vôos entre Europa e os Estados Unidos.

A British Airways disse há duas semanas que reduzirá sua capacidade de transporte de passageiros e suspenderá as contratações num momento em que enfrenta dificuldades para registrar lucro.

“O cenário da aviação está mudando e a consolidação das empresas aéreas está bastante atrasada”, disse Willie Walsh, principal executivo da British Airways, no comunicado. “A combinação dos balanços das duas empresas, as sinergias esperadas e a adaptação da rede das duas empresas transformam a fusão em uma proposta atraente, especialmente no atual ambiente econômico.”

Os preços recorde do petróleo e a desaceleração das economias mundiais levaram as empresas aéreas a se fundir ou fortalecer suas parcerias. A Ibéria, sediada em Madri, é atraente para possíveis parceiros devido a uma rede de rotas que inclui a maior parte dos serviços entre cidades européias e latino-americanas como Buenos Aires e Rio de Janeiro.

As ações da Iberia subiram 4,3% em Madri antes de as negociações terem sido suspensas, o que atribui à empresa aérea valor de mercado de € 1,63 bilhão (US$ 2,6 bilhões). Os papéis da British Airways, cujo valor de mercado é superior ao dobro do da Iberia, avançaram 7,5% em Londres.

COMMENTS